Semana passada postei sobre um trabalho da Timbira para uma startup aqui de São José dos Campos numa base RDS da AWS, ou seja, um Database as a Service (DBaaS). A imagem abaixo era para ser auto explicativa.

Consumo de CPU antes de depois da atuação do DBA

Acontece que a postagem gerou uma certa polêmica no Facebook, então gostaria de esclarecer alguns pontos.

O cliente

O que foi feito?

O cliente não tinha orçamento para fazer um Health Check completo, mas fizemos uma avaliação de algumas coisas importantes:

Após esse trabalho, o uso de CPU caiu de 100% para menos de 40%. Sim, a criação dos índices foi a parte que gerou a maior impacto para o cliente e fez a carga diminuir drasticamente. No entanto, até chegar lá, é preciso ver o servidor como um todo.

Preciso mesmo de um DBA?

Depende.

Sempre depende.

Enfim, conheço startups com 2 ou 3 funcionários que contratam os serviços de DBA remoto da Timbira. E conheço equipes grandes sem nenhum DBA. Quando você deve incorporar os serviços de um DBA na sua equipe? Bom, cada equipe tem suas dores. Se você acha que está tudo bem com o banco de dados, dificilmente você irá investir nisso. Ou pode acontecer de você apenas achar que está tudo bem…

E você, acha que DBaaS não precisa de DBA???

2 respostas

  1. Sem dúvidas que cada cenário é distinto, acredito que o serviço em nuvem é chamativo devido a praticidade de processos que antes você precisava realizar manualmente e agora você tem em “poucos clicks” o mesmo resultado, ou seja, transferência de responsabilidades e sempre lembrando que existe um custo pra tudo isso. Como foi citado no post, sempre vai existir a necessidade de alguém que tenha mais experiência e que possa agregar o time, além do que, o DBA também precisa sair um pouco do armário (no bom sentido) e passar a entender o funcionamento do negócio, colaboração (sem essa de Semi-Deus), cultura DevOps, desenvolvimento ágil, entre outras matérias que aparecem porque a evolução e inovação são certas.

Deixe uma resposta