Não use o Postgres… embarcado.

Não é a primeira vez, não será a última que aparece um maluco com esse tipo de ideia. Já ouvi gente querendo rodar Postgres até em celular. O pessoal se empolga com o Postgres. Ele é bacana e coisa e tal, mas tem limitações. Ele pode não ser a solução ideal para aplicações embarcadas. Ok, eu já vi aplicações rodando com versões antiquíssimas do Postgres. Pode passar anos sem dar nenhum problema. Mas veja bem… o PostgreSQL nasceu para rodar num servidor, com alguém de olho nele.

Sim, dá para rodar um PostgreSQL até em PS2, mas não faça isso. Considere algumas questões:

  • Se você vai criar uma base com um único usuário, o PostgreSQL pode ser um exagero para você. Já pensou no SQLite? Leve e compacto. Um único arquivo para toda a base. Uma única lib para a sua aplicação. Simples não? Veja algumas opções em: “Database Overkill
  • O Postgres é bastante exigente com discos. São vários componentes que não envolvem apenas os datafiles: temos o WAL, clog, tablespaces, archive, etc. Claro, você pode instalar tudo num único diretório, mas para ganhar desempenho, toda uma arquitetura tem de ser pensada. Em geral, o mínimo que se faz é criar sua base numa partição separada do restante do SO.
  • Já vi gente querendo rodar PostgreSQL em pen drive, juro. Primeiro que o Postgres não roda em FAT (bate na madeira…), segundo que você não deve jamais desligar uma base no tranco, a não ser que esteja testando a robustez do mesmo. A gente tinha um “servidor de testes” bichado que dava kernel panic direto aqui. O Postgres nunca corrompeu em vários meses com travamentos diários. Mas daí a ter a ideia de colocar sua base num “disco” que o usuário pode “puxar da tomada” é demais para qualquer um.
  • Configurar a segurança do Postgres é chato. Um zilhão de pessoas reclamam que o  “Meu Postgres não conecta” nas primeiras vezes que usam o Postgres. Se você vai rodar uma base num notebook, isso realmente não importa muito. Afinal, quem tem acesso ao equipamento fisicamente, sempre pode ter acesso ao usuário root (ou administrador no windows).
  • Fazer backup do Postgres dá trabalho. O dump tem um monte de opções para escolher. O backup físico também tem suas peculiaridades. Num SQLite, você só precisa copiar UM arquivo.
  • E se a base crescer? Índices, reindex, analyze e outras coisas pode precisar de ajuste. Quem é que vai fazer isso?
  • E se a versão ficar velha, quem vai fazer o upgrade da versão? Conheci um cliente que tinha sua aplicação instalada em mais de 1000 clientes. Eles levaram mais de um ano para migrar da versão 7.4 e 8.0 para a 8.1, mas nesta época só tinham uns 200 clientes. Hoje, é claro, eles estão partindo para o SaaS.

Enfim, existem soluções de banco de dados que são otimizadas para trabalhar embarcadas. Não, não estou falando do Access (que só serve mesmo para dar dor de cabeça). Mas assim como o SQLite, você pode usar XML, texto puro, Berkeley DB, Firebird entre outros. A vantagem é que eles vão consumir muito menos recursos do SO e vão ser muito mais fácil de manter. O PostgreSQL é um dragão que quer o servidor só para ele. É neste terreno que ele tem se tornado um “database killer”.

2 comentários sobre “Não use o Postgres… embarcado.

  1. “O Postgres é bastante exigente com discos. São vários componentes que não envolvem apenas os datafiles: temos o WAL, clog, tablespaces, archive, etc. Claro, você pode instalar tudo num único diretório, mas para ganhar desempenho, toda uma arquitetura tem de ser pensada. Em geral, o mínimo que se faz é criar sua base numa partição separada do restante do SO.”

    isso poderia ser descrito em um artigo, configurando um servidor com postgresql

    Curtir

    • Você tem razão. Se tiver um serve pequeno, com até cento e poucos GB, não precisa se preocupar com particionamento e coisa e tal. Mas quando falamos de TBs, aí precisa de mais cuidado. Na verdade eu já escrevi sobre isso aqui.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s