DBA

Encontro de DBAs em SP

Senhores, para quem não sabe, foi criado uma lista de DBAs chamada DBA-Brasil. O grupo é aberto e de lá surgiu a ideia de se encontrar para tomar uma cerveja (ou não). Então marcamos um encontro aqui em SP. Anotem aí:

  • Local: Empório Alto de Pinheiros
  • Endereço: R. Vupabussu, 305 – Pinheiros | São Paulo – SP
  • Data: 28/08/2015
  • Horário: 19h

Encontro vocês por lá!

11406780_725723180883270_6537327207458513368_n

Pesquisa sobre o Perfil do DBA no Brasil

Senhores, como parte de um novo projeto que estou desenvolvendo aqui resolvi traçar um pouco do perfil dos DBAs no Brasil. Para isso montei uma pesquisa rápida no Google. Qualquer DBA pode responder. No final vou divulgar o resultado e fazer algumas análises para o meu projeto.

Quem puder preencher, é só entrar aqui.

 

 

timbira

Cursos da Timbira On-Line para o 2º semestre de 2015

Senhores, a segunda leva de cursos on-line da Timbira cresceu mais uma vez. Agora são 7 cursos diferentes com os consultores da Timbira ao vivo via Hangout.

As inscrições, grade e informações estão todos no Eventick!

As novidades desta vez ficaram por conta dos cursos de Fundamentos, PL/pgSQL e segurança. Confira a grade e reserve sua vaga.

19_waterski

PostreSQL on the run!

A vida está corrida mesmo, depois de duas semanas no Canadá com uma passada no México para participar do PGCon2015, uma semana atendendo um cliente em Brasília e logo depois uma viagem para Porto Alegre para participar do FISL16, voltei para São Paulo esta semana e já tenho um monte de compromissos e novidades.

  • Agenda de cursos on-line na Timbira para o segundo semestre. Esse tópico merece um post à parte, novos cursos, novas datas, mesmos preços.
  • Dia 21/07/2015 vou abrir a trilha de banco de dados no no #TheDevConf 2015 | SP, falando sobre PostgreSQL, claro.
  • Dia 07/08/2015 tenho outra palestra nova no PGDay Campinas – SP.
  • Entre 16 a 18 de setembro vou palestrar no VII Fórum de Tecnologia em Software Livre, FTSL onde teremos um PGDay dentro do evento em Curitiba – PR.
  • Em novembro o Fabrízio Royes de Mello e grande elenco vão receber a comunidade brasileira e convidados internacionais para a 6ª edição do PGBR em Porto Alegre. A chamada de trabalhos foi adiada, então as participações estão em aberto. Ainda bem , pois ainda tenho que mandar minha proposta! E você, não vai mandar a sua?
  • Ainda precisamos marcar o próximo programa de índio para gravarmos ao vivo. Sugestões são bem vindas.

Novos clientes, novas palestras, novos desafios. A vida com o PostgreSQL tem sido divertida!

pgcon

Programa de Índio – Especial PGCon2015.

Senhores estaremos gravando 2 programas especiais sobre o que anda acontecendo aqui no PGCon2015 em Ottawa. O primeiro programa será gravado hoje (17/06), ao vivo às 19h (horário de Brasília).  Vamos falar sobre o que se passou no “Developers Unconference“, onde os desenvolvedores discutem um pouco sobre o futuro do PostgreSQL e novas implementações que estão sendo realizadas e os novos desafios pela frente. Sexta-feira (19/06), estaremos gravando outro programa, comentando as palestras regulares do PGCon, também às 19h. Então anote aí:

20150606075305

Próximo Programa de Índio – Eventos de Informática (12/06)

Para quem não sabe, os 3 sócios da Timbira (eu, Euler Taveira e Fabrízio de Royes Mello) estarão se encontrando presencialmente no dia 12/06 para embarcarmos no dia seguinte para Ottawa, Canadá. Vamos participar do famoso PGCon 2015. Para comemorar o nosso encontro, vamos nos reunir no Boteco São Francisco para tomar uma cerveja, encontrar os amigos e falar um pouco sobre o universo dos eventos de informática que já fazem parte da nossa vida há alguns anos.

Então se você quiser comemorar o dia dos namorados conosco num bom happy hour (ou se for comemorar só mais tarde e quiser tomar uma cerveja conosco enquanto o trânsito diminui), estaremos lá, conversando sobre nerdices, eventos de informática e como sempre: PostgreSQL.

O convite está feito, anote aí:

  • O que: Programa de Índio: “Eventos de Informática”
  • Onde: Boteco São Francisco, na Av. Jabaquara, 1955, bem perto da estação Saúde no Metrô
  • Quando: 12/06 às 19h
  • Remoto: Se não puder vir, pode nos acompanhar ao vivo no Hangout que vamos gravar lá!

 

lacrimogenio

Mais um dia triste para os professores

Eu sabia que não seria um dia tranquilo. Estava no meio da tarde quando comecei a ouvir o barulho dos tiros na avenida logo atrás de mim. Algumas pessoas comentaram radiantes como finalmente alguém agia com firmeza contra aqueles baderneiros. Ocorre que aqueles baderneiros eram professores. Não podia acreditar que, no ano 2000, um governador que se acreditava mais ponderado, aprovasse o uso da cavalaria dessa forma. Por pouco minha mãe não estava lá. Sim, eu sei como ela dedicou e dedica até hoje sua vida à luta por uma educação melhor. Aquele lema antigo, como era? Por uma educação pública, gratuita, laica, com acesso universal, permanência, qualidade… Parece tão distante!

No final, todos dizem que são a favor da educação. Mas quem estuda financiamento de educação sabe que há uma conta que não fecha. A escola pública de qualidade antes era oferecida para um número muito reduzido de pessoas. Era a boa escola pública criada para pessoas de bem e de bens. Quando saímos da ditadura militar, a luta pela universalização do acesso na década de 80 tem um grande êxito. Só tem um problema:  o orçamento para a educação não acompanhou o crescimento do número de estudantes. Na década de 90, vemos, claramente, o custo por aluno caindo vertiginosamente. De repente o problema da educação é uma questão técnica, saber investir e administrar melhor os recursos existentes. A questão do custo por aluno passa a ser  sistematicamente omitida. Os professores da rede pública passaram vários anos praticamente sem aumento. Com os salários achatados, muita gente foi procurar outras formas de ganhar o pão de cada dia. Não só eu, mas um turbilhão de gente abandonou a educação. Ser professor deixou de ser algo digno. O professor deixou de ser alguém valorizado e respeitado. Frases como “professora não ganha mal, professora é mal casada” eram e continuam famosas. Assim, assistimos ao sucateamento da educação esperando o horário da novela…

A verdade é que educação não é prioridade. Deseja-se que o outro seja mais educado, mas poucos estão dispostos a investir nisso. Educação não dá voto. Construir escolas grandes e vistosas sim, mas pagar bem ao professor e manter uma boa escola funcionando, não. O resultado é que ninguém se comove. Não vou aqui discorrer sobre a miséria dos sindicatos no Brasil. Depois que Getúlio Vargas deixou a herança maldita do imposto sindical, encontrar sindicatos combativos não é fácil. Mas essa moda de mandar a tropa de choque bater em professor parece nunca se esgotar. Se o professor pode apanhar em frente às câmeras de TV, o que não poderá ocorrer em sala de aula. Essa tática de cercar manifestantes e fazer matéria na TV sobre como os professores estavam atrapalhando o trânsito já é manjada há muito tempo. Mesmo com a internet à nossa mão, a maioria não vê  a covardia da polícia. Não me interessa se a greve parece abusiva, se há professores exaltados. Não se bate no seu semelhante dessa forma. A vida deve valer mais. Não me interessa se é um professor, um estudante ou qual grupo está pedindo isso ou aquilo. Não se mira diretamente contra uma multidão e aperta o gatilho. Não se usa bomba de gás lacrimogênio, não se coloca policiais nas portas dos hospitais para impedir que os manifestantes feridos sejam atendidos, não se cercam todas as rotas de fuga dos manifestantes mandando a tropa para cima.

E sim, tem gente que aplaude… e acha que precisamos de mais segurança. Não sei como essas pessoas conseguem dormir tranquilas. Ou pior, às vezes até sei. Claro que a conexão direta entre educação e violência não é bem assim. Longa história. No entanto, o exemplo que damos para nossos filhos é bem claro, não? E vemos professores do ensino fundamental ao superior apanhando da polícia todos os anos. Ontem não foi a primeira vez… Quando será a última?

a-origem-da-especie-humana-1419160928.184x273

Sobre o futuro da humanidade…

Comecei a juntar as peças  ao ler “A Origem da Humanidade” de Richard Leakey. Eu cursava Ciências Sociais e este livro me voltou à mente diversas vezes. Nele, o membro da notável família Leakey discorre sobre a evolução do ser humano da sua origem aos dias atuais. Claro, se você é criacionista e tem fé dogmática nisso, está convidado a ir ler algo menos herético ante que se irrite logo. Bom, o texto contém uma série de hipóteses reveladoras sobre a espécie humana, e é muito interessante colocar nossa trajetória numa esteira de milhões de anos ao invés de meses ou anos. Estamos acostumados a olhar pouco para o passado, principalmente para o passado remoto, como se apenas o passado recente tivesse realmente importância para a nossa história recente. As implicações morais para a minha vida contidas neste texto são surpreendentes.

Na parte final do livro, Leakey fala sobre o impacto para o ser humano no aumento do seu cérebro. Foi como ler um daqueles bons livros de mistério em que no final acontece uma bela reviravolta em que tudo se revela e faz sentido de forma harmoniosa e inteligente. A questão com o cérebro do ser humano não está relacionada diretamente com a capacidade superior de raciocínio. A grande questão é o parto. O parto do ser humano é muito difícil por causa do tamanho do cérebro. Se o cérebro humano estivesse plenamente desenvolvido antes de nascer, o parto jamais seria viável, pois ele não poderia passar pélvis devido ao seu tamanho. O resultado é que o feto humano nasce muito imaturo. Levam longos anos até ele atingir a plena maturidade. Veja que os mamíferos em geral, se tornam adulto (ou melhor atingem a capacidade de reproduzir) em poucos meses. O ser humano leva cerca de 14 anos até atingir a puberdade e ser capaz de se reproduzir.

O resultado dessa maturidade tardia é que a prole humana permanece sob a tutela dos pais por longos anos. Nestes período algo incrível acontece que faz toda a diferença. Conhecimentos, hábitos e costumes aprendidos pelos pais são transmitidos para os filhos. Ao longo do tempo, esse longo período de contato, de transmissão de conhecimento, constitui um patrimônio para aquele grupo de hominídeos, sua cultura. E a partir daí, a evolução da espécie humana passa a ser regida muito mais pela evolução da sua cultura do que por alterações morfológicas no seu corpo. Um hominídeo que sobreviva só sem o contato com outros da sua espécie, não pode ser considerado um ser humano. Não anda em pé, não fala, não tem hábitos como os nossos. Não aprendeu nada com seus pares, não possui uma cultura como a nossa.

Diferentes culturas fizeram com que o ser humano desenvolvesse diferentes habilidades, diferentes sociedades, diferentes valores. É claro que essa noção de ética universal que engloba toda a humanidade é balela quando você olha o ser humanos como um todo. Então essa baboseira de que o homem nasce bom ou mal, de que ele é corrupto, ou que ele é egoísta e coisa e tal, não faz muito sentido. Depende da cultura em que ele vive. Uma sociedade competitiva, que valoriza o consumo e a mais valia obviamente produz humanos de um tipo completamente diferente de um que cresceu numa pacata ilha isolada desse universo. O fato que é a nossa cultura, apesar de mudar muito vagarosamente, é fruto nosso, dos seres humanos. Somos nós que a construímos. Não é algo dado, imutável e pré-determinado. Como dizia o velho barbudo…

“Os homens fazem a sua própria história, mas não a fazem como querem, não a fazem sob circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas pelo passado.”

O resultado disso é que está tudo em nossas mãos. Não precisamos de intervenção divina ou nos lamentar eternamente. Precisamos criar melhores filhos para construir um futuro  melhor. Filhos que sejam agentes transformadores da nossa cultura, que criem seus filhos melhores ainda . Não se muda uma cultura da noite para o dia, mesmo em momentos de ruptura ela leva varias décadas para mudar de forma que a maior parte da sociedade absorva essa mudança. Veja por exemplo o advento do anticoncepcional. Foi um momento de ruptura com profundas transformações na nossa sociedade, onde a mulher deixa de ser uma máquina de gerar e criar seres humanos para se tornar uma pessoa capaz de ter escolhas, de ter uma carreira, estudar, casar, ter filhos… ou não!  Já faz mais de 40 anos que o anticoncepcional surgiu e ainda estamos por vê-lo alcançar toda a sociedade, notavelmente ainda encontramos setores conservadores que reagem a qualquer tipo de anticoncepcional, até mesmo ao uso do preservativo. Mas aos poucos, vemos esta tendência se tornando cada vez mais hegemônica. A cultura está sempre em transformação, não é algo estático. O ser humano existe há milhões de anos. Só conhecemos uma pequena fração da sua jornada pela terra. Existem culturas mais solidárias, mais corruptas, mais violentas, mais competitivas, mais consumistas, com mais diversidade, com mais tolerância, com mais pessoas se suicidando. A questão é: qual ser humano queremos construir afinal?

Uma qualidade inerente ao ser humano, um instinto primário que ele traz consigo me faz acreditar que é possível construir algo melhor do que temos hoje. De que não é assim e sempre foi assim em todo lugar e há qualquer tempo. A capacidade do ser humano de amar a si mesmo e ao próximo faz com que isso seja possível. Praticamente toda religião, seja ela monoteísta, politeísta, oriental, ocidental, etc prega o amor ao próximo. É por isso que mesmo em dias em que tanta gente se preocupa em atacar, denigrir, combater e eliminar uns aos outros, apenas com o otimismo de que vale à pena acreditar no ser humano, podemos construir algo melhor. Vale à pena perdoar e resistir aos que se esquecem do amor ao próximo e desejam saciar suas frustrações combatendo um mal que sequer sabem se existe, aqueles que sonham em comprar um novo bem na esperança de conquistar a felicidade anunciada por um comercial de TV.

Que o nosso amor ao próximo seja forte, otimista e vibrante, contagioso. Que possamos construir novos alicerces. E se um dia eu parar de acreditar nisso, vou até o bar mais próximo, começo a beber e não saio nunca mais dali.

timbira

O plano de dominação mundial da Timbira!

Em 2014 tivemos grandes avanços na Timbira. O Euler e o Fabrízio foram bem atuantes em patches para a versão 9.4 e tivemos as nossas primeiras encomendas de funcionalidades para o PostgreSQL. Também lançamos 3 cursos on-line e integramos juridicamente o Fabrízio como sócio da empresa.  O Fabrizio também se destacou participando do Google Summer of Code  com um patch para transformar UNLOGGED TABLES em LOGGED e vice-versa. Um projeto bem interessante.

Este ano começou realmente acelerado. Novos clientes, novos desafios e novas atividades. O tempo anda curto para tantas atividades. O calendário não para de me mandar avisos aqui. Pra começar resolvi tirar a poeira do blog. Em janeiro foram 5 artigos novos publicados. No final de janeiro, após o Euler retornar das suas merecidas férias, nos reunimos e montamos um calendário para 2015 bem interessante. Começamos lançando uma nova leva de cursos on-line incluindo um novo curso de monitoramento. Estou devendo ainda um novo curso de SQL. Serão ao todo 5 cursos on-line. Depois lançamos o webinar da Timbira, o “programa de índio”.  No primeiro programa falamos sobre as novidades da versão 9.4 e o que já está programado para a 9.5. Combinamos que o próximo deverá ser sobre o Jsonb. Depois uma leva de 3 eventos na sequência.
Vejamos o que temos pela frente:

Além disso, novos artigos estão à caminho no blog, estou preparando um novo curso on-line de SQL em dois módulos e novos eventos devem aparecer no caminho. Por fim, estamos aceitando sugestões de temas para o nosso “Programa de Índio”, deixe sua sugestão nos comentários.